28 de set de 2014

Turbulências


Não sei o que passa na minha cabeça, sei que ele está aqui.
E é muito forte, capaz de destruir muitas coisas.
Aquelas coisas boas que você leva uma vida inteira para construir.

Essa coisa, essa fera me da vontade de desistir.
Espero que ele possa ficar preso,
Por muito tempo trancafiado,
Lá nas masmorras do meu coração onde não poderá sair.

Esse estranho e maldoso ser.
Talvez queira mostrar quem eu realmente sou,
Mas não quero ser ele.
Quero, tenho e preciso me desfazer.

Porém o que o faz acordar?
São os vícios? A infelicidade com uma sociedade desonesta?
Quando ele está aqui só faço maltratar.

Será que sinto prazer em ser ele?
Logo eu! Por que eu? Se sou bom por que então ser mau?
Não sei, só sei que estou tentando trancá-lo a sete chaves nessa cela.
No meu coração, no meu pensamento e na minha ilusão.

Autor: José Agenor Sapata

Nenhum comentário:

Postar um comentário