25 de mar de 2014

Quem devemos temer?

Pessoas tratando pessoas como animais, alias nem animais são tratados dessa forma. Em quem confiar nos dias de hoje? Se os próprios policias, homens que deveriam proteger a população, fazem o que fizeram com uma pobre mulher chamada Cláudia, moradora do Morro da Congonha no Rio de Janeiro, mulher simples mãe de quatro filhos, que ainda criava mais quatro sobrinhos, casada a 19 Anos.

Essa pessoa foi morta a sangue frio quando saia para comprar pão para os filhos, depois foi colocada no carro da polícia e arrastada como se fosse um animal morto sem valor nenhum, cenas fortes, que mostram a consideração que as pessoas tem pelas pessoas.

Não estou aqui para criticar o serviço militar, mas estou para apelar pelo amor entre os seres humanos, como pode ser tão insensível a ponto de tratar com tanta frieza um irmão?

Andamos nas ruas com medo, não sabemos em quem confiar, não sabemos se podemos olhar para uma pessoa ao seu lado e ser morta em seguida por ela. Se somos assaltados também não sabemos se podemos chamar a policia e sermos assaltados por eles.

Terra sem leis, três das mais violentas cidades do mundo são brasileiras, o Capitão da Policia diz que não tem quantidade de pessoas suficientes para patrulhar nem preparo. E o exército? Milhares de militares estão nas bases só fazendo treinamento, recebendo e comendo com nosso dinheiro enquanto cidades estão abandonadas pela lei.

Vivemos em guerra constante, pior do que as guerras declaradas. Tenho vergonha do meu país, vergonha dos nossos governantes que enfiam milhões de reais no bolso dos corruptos, vergonha das pessoas que matam a sangue frio seus próprios irmãos, vergonha do dinheiro que vão para muitos e deixam os poucos na miséria

Sei que o Vídeo abaixo é chocante, mas serve para vermos o que nós somos cabazes de fazer.



18 de mar de 2014

Guerra! Vale a pena?


Quem tem visto os noticiários está sabendo que mais uma guerra está prestes a começar na Criméia pelos homens por poder, por terra, pela ganância. Uma guerra que tem precedentes  em 1853 e se estende há 2014.

Guerra essa alimentada pelo sentimento de superioridade que nós homens temos dos outros, aquele sentimento que nos faz sentir melhores, mais bonitos, mais inteligentes que nossos próprios irmãos

Agora eu queria saber depois que morrermos o que vamos levar? Vale a pena matar milhares de pessoas, trazer tristeza para uma nação? Pobres mortais que somos, burros e gananciosos, sem sentimentos e hipócritas.

Não apenas essa guerra que está prestes a explodir acabam com nosso mundo, mas também a guerra que travamos todos os dias, contra a corrupção, contra o tráfico de drogas, contra a manipulação que nosso governo exerce sobre nós, em busca sempre do dinheiro.

Esses dias vi uma frase que dizia assim em um restaurante de beira de pista “Quando a última árvore cair, quando o último rio secar, quando o último peixe morrer, iremos perceber que o dinheiro não se pode comer.”


Termino esse texto pedindo para que possam refletir sobre essa frase e ver se realmente o que estamos fazendo no nosso dia-a-dia está coerente com a paz nos nossos corações.

Autor: José Agenor Sapata

10 de mar de 2014

Sociedade des-sociada

Nossas redes sociais estão contaminadas, como nossas cabeças, a informação que nos chega é aquela manipulada pelo governo, que manipula a TV que nos manipula.

Milhões e milhões pagos de impostos todos os anos, e para onde vai esse dinheiro? Para as escolas que não tem nem cadeiras para os alunos se sentarem, ou para aquelas que não tem esgotos e paredes.

Tanto dinheiro nesses estádios de futebol, tanto dinheiro para os jogadores de futebol, é justo um jogador ganhar mais que os médicos e professores? O que eles fazem a mais ou mais importante que nossos verdadeiros heróis?

Isso só acontece porque concordamos com a desigualdade social, nossa ganância criou esse monstro e agora não conseguimos mais colocar os trilhos nos eixos.

Só queria lembrar que a Desigualdade existe e que somos conivente com ela.

Sei que essa palavra não existe mas "des-sociada" para mim significa tudo de contrário há uma sociedade.

Espero que gostem desse simples poeminha e que possam mudar de alguma forma esse contexto social.

Sociedade des-sociada
Mas eu não me canso de falar
Roubos, e roubos e mais roubos,
E eles não cansam de roubar.

Tantas pessoas passando fome,
Nem escola tem para estudar
E essa sociedade não muda,
Rouba nossa inocência, inteligência e não nos deixa votar

Escraviza o descansar dos velhinhos
Jogando-os nos asilos
Põe as crianças nos orfanatos
Que ficam implorando carinho


Só que o que fazemos para mudar?
O que fazemos para melhorar?
Minha casa, minha vida, minhas olheiras de tanto chorar
Peço, luto, tento, até um dia essa guerra terminar.

Autor: José Agenor Sapata