3 de abr de 2013

Quem dá aos pobres, empresta a Deus.


Quando fui hoje para São Paulo me deparei com uma cena inusitada, apesar de ser rotineira para os paulistas aquilo me fez pensar sobre as pessoas, sobre a forma de pensar e agir de cada. Reclamamos muito dos nossos políticos, da corrupção, da desigualdade social.. Mas será que somos e agimos diferente disso?

Uma simples mulher entra naquele vagão do metro, pedindo ajuda, dizendo que está desempregada, com os filhos em casa, sem dinheiro para comprar um pão. Pedindo ajuda aos seus irmãos. Qual a reação das pessoas?

Podemos seguir duas linhas de raciocínio. A primeira a que questiona o por que daquela senhora estar realmente desempregada, seria ela diferente das outras pessoas que se esforçam tanto para colocar um prato de comida em casa. Seria ela mais uma vitima desse sistema controlador? Será que se eu der dinheiro para ela o que ela irá fazer? Pode ser mentira dela, pode ser que vá usar drogas ou beber. Se eu der o dinheiro ela vai continuar pedindo o resto da vida e vai se acomodar com a situação.

A segunda nos faz pensar como irmãos, somos feitos da mesma carne, pelo mesmo pai e com o mesmo amor. Por que não ajudar aquela pobre pessoa com um pouco? Será que um ou dois reais irá fazer tanta falta assim? Isso pode se transformar realmente numa fonte de alimento. Não só alimento físico, mas ver aquelas pessoas doando me fez ver que o mundo ainda tem salvação, ainda há amor e preocupação com as pessoas, basta você escolher o que vai fazer.

Como diz o grande Poeta Castro Alves “Quem dá aos pobres, empresta Deus.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário