23 de abr de 2013

A menina na janela


Era como olhar para uma bela paisagem e sentir a paz dentro de mim, uma fresta que ela abria da cortina me trazia tranqüilidade, conforto e esperança. Eu ficava a olhar, dava uma volta e voltava a olhar. Na esperança que lá ela estivesse.
Ficava a pensar será que ela gosta de mim? Mas nunca a mim ela veio falar, porém as cortinas se abriam e eu via seus olhos a me procurar.
Fizesse chuva ou fizesse sol ali estávamos a se entreolhar, sentimento bom, inocente esse, puro. Rodeado por encantos, uma coisa mágica.
Meu coração palpitava, mas coragem eu não tinha para com ela falar, apenas olhar... Olhar! Com a visão de uma pessoa apaixonada, que amava aquela criatura que nunca havia falado.
E um dia o telefone tocou, era ela: - Sua avó está?
Era apenas sua voz,  mas a minha a sensação era como se estivéssemos frente a frente,  tremia por dentro, sentia um calor e a voz não saia. Sabia que era ela sem nunca ter ouvido sua voz, era mágico, algo que palavra nenhuma poderia explicar, simplesmente fantástico.
Ela pediu para minha avó arrumar seu fichário, e no outro dia eu iria levar para ela, era o momento que eu sempre esperei, iria me declarar, declarar meu amor platônico, incondicional.
No outro dia eu fui, com a cara e a coragem, como se fosse pedi-la em casamento e para mim era essa a sensação.
Toquei a campainha e há vi descendo as escadas, era como uma princesa descendo de seu altar, as escadas viraram tapetes vermelhos e o ambiente se transformou. Um simples Olá, aqui está! Foi o que consegui pronunciar, um agradecimento recebi de volta, só que o olhar, há o seu olhar, isso para mim foi o amor a brotar, ali... Exatamente ali no seu olhar!
Às vezes para se amar basta simplesmente olhar e sentir. Nada mais que isso.

Um comentário:

  1. *---* Eu particularmente ammei .. Foi exaaatamente assim que me senti taambém =)

    ResponderExcluir